Jobshadowing em Kerava, Finlandia

O jobshadowing realizado no âmbito do programa Erasmus+, durante a interrupção letiva do Carnaval, de 12 a 16 de fevereiro, decorreu na Escola Secundária de Kerava, na Finlândia. O sistema educacional finlandês, conhecido pela sua abordagem inovadora e de alta qualidade, cativou a docente Sandra Pinto desde o primeiro momento. Durante os dias que esteve em Kerava, a docente teve a oportunidade de testemunhar em primeira mão algumas das características marcantes deste sistema. A neve, uma presença constante durante o inverno finlandês, trouxe um encanto único à experiência desta docente, que se surpreendeu ao ver alguns alunos e professores a circular pelos corredores da escola de chinelos e meias – uma prática muito comum na Finlândia.

Desde os professores aos alunos, dos funcionários até às equipas de bem-estar e de educação especial, todos demonstraram uma grande dedicação e uma disponibilidade genuína para partilhar as suas experiências e conhecimentos. Entre as muitas práticas pedagógicas observadas, destacam-se as pedagogias ativas e as iniciativas voltadas para a sustentabilidade e inclusão social. Na cantina da escola, uma máquina inovadora pesava o desperdício alimentar e calculava o número de refeições perdidas, incentivando os alunos a fazerem escolhas conscientes e a reduzir o desperdício. Os alunos preparavam a loiça utilizada para ser lavada e faziam a separação do lixo. As refeições (bem como os materiais escolares) são gratuitas para todos os alunos que estejam dentro da escolaridade obrigatória que inclui o ensino secundário. Surpreendentemente, as pessoas mais velhas da comunidade têm a oportunidade de almoçar na cantina da escola a preços muito acessíveis, promovendo a integração intergeracional e o sentido de comunidade. Durante o jobshadowing, houve a oportunidade de assistir a aulas de ensino de línguas estrangeiras, incluindo inglês, sueco, alemão e espanhol. A utilização de manuais digitais é transversal no ensino das diferentes disciplinas, o uso do telemóvel é permitido e é comum utilizarem-se materiais diversificados e impressos. A docente teve ainda a possibilidade de, inesperadamente, acompanhar sozinha uma turma de alunos à biblioteca municipal de Kerava, que ficava a cerca de 200 metros da escola, para assistirem a um workshop sobre impressão 3D. Foram ainda observadas aulas de Matemática, Educação Física (que podem incluir aprendizagem de patinagem no gelo e de ski), Artes Visuais e Música. Na Finlândia, o ensino artístico é obrigatório em todos os níveis de ensino, incluindo o secundário.

Ainda que não seja um sistema perfeito, pois há problemas comuns aos do sistema educativo português, nomeadamente, a diminuição acentuada das práticas de leitura nos alunos, entre outros, sente-se um bem-estar generalizado, onde tudo parece funcionar. “Make it simple. Make it well.” É o lema de um sistema que procura promover o equilíbrio entre o desempenho académico dos alunos e a vida fora da escola. Em suma, os objetivos definidos no “learning agreement” desta mobilidade foram claramente atingidos. As práticas observadas neste jobshadowing serão partilhadas num workshop aberto aos docentes do agrupamento, numa data a anunciar oportunamente.

Artigo publicado por

PArtilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.