“Ulisses” no Teatro Sá da Bandeira

Homero, autor da obra Odisseia, onde já tantos escritores se inspiraram ao longo dos anos, deveria ficar maravilhado com a adaptação que Maria Alberta Menéres fez dela na sua obra “Ulisses” e com a encenação da peça de teatro “A Aventura de Ulisses” de António Feio. Terminada a guerra de Troia, os Deuses reúnem-se para decidir o destino de Ulisses. Enquanto uns defendem o seu rápido regresso a casa, na ilha de Ítaca, outros preferem voltar a pô-lo à prova, lançando-lhe novos desafios. Zeus acaba por concordar em transformar a viagem de regresso numa espécie de jogo de computador, programado em função dos caprichos dos Deuses.

Os alunos dos 6º anos do nosso Agrupamento ficaram extremamente agradados, pois o livro tinha sido trabalhado nas aulas e a posterior ida ao Teatro Sá da Bandeira, no Porto, para assistir à peça de teatro foi uma experiência fantástica para as nossas alunos. Temos de registar a ótima organização da viagem e o comportamento exemplar dos alunos tanto durante as viagens de comboio como no visionamento da peça. Parabéns a todos!


Saber+

Foi em 1846 que o espanhol José Toudon Ferrer Catalon resolveu construir um barracão de madeira a norte da Rua de Santo António, próximo da Viela da Neta, para apresentar habilidades circenses com cavalos. O barracão, que o espanhol batiza de Teatro Circo, sofre obras de remodelação em 1854, mas quatro anos depois é demolido. A 22 de Março de 1858, dá-se início à construção de um novo circo, agora em pedra, projetado pelo arquiteto Pedro José de Oliveira, obra que ficaria concluída oito meses depois. O “novo” Teatro Circo disponha de 26 camarotes, 100 lugares de plateia superior e 400 lugares de galerias, num total de 630 espectadores. Segundo conta Henrique Duarte de Sousa Reis, “era o único teatro da cidade onde se permite o uso do charuto e cigarro”.

Quando a Câmara Municipal do Porto decide abrir a Rua Nova de Sá da Bandeira, do lado poente do teatro, eliminando a Viela da Neta, o circo de pedra deu lugar a uma terceira sala de espetáculos com capacidade para 1770 lugares distribuídos por duas frisas à boca de cena, 32 camarotes de primeira ordem, 26 de segunda, 650 cadeiras de plateia, 700 na galeria e 120 nas varandas, de acordo com a descrição publicada no Jornal de Notícias de 12 de Março de 1874, data de inauguração do espaço. O novo teatro, a que se chamou Teatro Circo Príncipe Real, tinha duas portas de entrada: a principal era pela Rua de Santo António (atual 31 de Janeiro), por um túnel arqueado que desembocava numa escadaria de acesso a um pequeno átrio, e a secundária que se fazia pela Rua Nova de Sá da Bandeira.

Artigo publicado por

PArtilhar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.